“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

sexta-feira, 28 de abril de 2017

seu casamento

Parece que essa é a nossa despedida oficial.
Hoje passei nos nossos lugares para pensar em você.
Hoje me dediquei a sentir sua falta com toda a intensidade que existe.
Me dediquei a me lembrar de todos os seus detalhes.
Todas as suas manias, todos os seus vícios de fala (que você talvez já tenha perdido), todas as suas expressões (que agora devem ter amadurecido), todos os seus olhares, os seus sorrisos. Me lembrar de todos os detalhes do seu rosto, suas pintas e manchas, suas pernas arrepiadas, seu pezinho de bisnaga, suas unhas pintadas de preto, suas mãos pequenas envolvendo as minhas, suas cicatrizes e suas tatuagens.

Hoje parei para revisar todos os meus planos com você. Todos os momentos maravilhosos que vivemos juntos e os que não vivemos, e agora fatalmente não viveremos.

Parece que essa é a nossa despedida oficial.
Parei para pensar em tudo o que consegui alcançar só por acreditar que você ainda existia e que um dia nos encontraríamos. Todas as vezes que você salvou minha vida sem nem saber os apuros pelos quais passei. Todas as vezes que tive que sobreviver por pensar que você me esperava.

Hoje eu vim sentir saudades de você. Dos seus lábios pequenos, do seu coração grande, das suas lágrimas escondidas, dos seus olhares evidentes.

Quantos anos se passaram desde nosso último encontro?

Eu deveria ter tentado mais? Mais forte? Mais vezes? Deveria ter feito loucuras? Deveria ter saltado de paraquedas e aterrissado no telhado do seu prédio com um buquê de flores?

Deveria ter invadido seu apartamento derrubando sua porta enquanto você chorava escondida?

O que eu deveria ter feito? Será que existe algo que eu poderia ter feito para não me despedir hoje?

Será que existe algo que eu poderia ter feito para evitar esse porre que estou tomando agora?

Será que existe algo que poderia ter substituído o porre que vou tomar no seu casamento?

Será que existe algo que poderia ter me tornado o seu noivo no dia do seu casamento?

O pai dos seus filhos, o pai da Karen, o homem da sua vida, o seu protetor, o seu amigo.

Mas hoje eu vim me despedir, embora o peso do "e se" não saia dos meus ombros.
Você vai se casar com ele e não comigo. Eu estou com ela, mas não vou me casar com ela, não enquanto desejar que ela fosse você. Se você é minha alma gêmea, a pessoa do outro lado do meu laço chinês, eu também deveria ser assim para você, não?

Não me diga uma palavra, por favor. Não diga que sou seu anjo bom, pois não é o que desejo ser. Não diga que sou especial, pois isso não me consola. Não diga que eu sou diferente e nem que sou único, pois nada disso foi capaz de me fazer tomá-la no altar das mãos do seu pai e ouvir ele dizendo "até aqui eu trouxe a minha menina, agora é com você", e responder com firmeza "farei tudo para construir com ela uma história tão linda quanto a que vocês escreveram." Não diga que me ama se você o ama mais. Não diga que pensa em mim se seus pensamentos por mim são vagos e fracos o suficiente para que você não lute por eles.
Eu não escolhi te amar, e também não escolhi te perder. Não escolhi sofrer todas as noites desejando ter você pra mim. Não escolhi nada se não tê-la para mim e só queria que você também tivesse escolhido dizer "sim" pra mim. Sim para a vida fantástica que sempre quis viver com você. Uma vida movida a respeito, alimentada pelos sonhos, vivida com amor, recheada de carinho e compreensão e longas conversas durante a madrugada, escorados na sacada assistindo a lua viajar pelos céus.

Mas hoje eu vim para me despedir e sentir sua falta, pois não quero dizer nada no dia do seu casamento. Vou me juntar com alguns dos meus melhores amigos e vou beber e vou chorar e vou gritar e vou sentir toda a dor que vier com bravura. Vou dizer a eles que eu não te esqueci, nem por um só segundo ao longo destes anos. Vou implorar a eles para que me levem até a igreja para que eu possa me pronunciar quando o padre perguntar se existe alguém que tem algo a dizer contra o casamento, vou me expor ao maior sofrimento que consigo imaginar sentir na vida, o meu 10. Vou cair de joelhos e me perguntar sobre a veracidade de todas as suas palavras. Vou pensar em matar o seu noivo e te sequestrar. Vou ultrapassar os limites da loucura e pensar que estou envelhecendo, que depois de tanto tempo eu ainda não aprendi a viver sem você, que a esperança de te ter novamente era a única coisa que me mantinha respirando. Vou procurar uma vadia no bar para levar para casa e me enganar que alguma parte de você poderá ser encontrada nela, mas vou desistir no mesmo instante que notar que não consigo.
Será um dia horrível. O pior da minha vida. A minha maior perda. Perda de parte de mim mesmo, sem direito a ressarcimento, sem direito à troca. Será somente o fim. O fim de nós e consequentemente o meu.

Queria te amar menos do que amo e ser capaz de desejar que você fosse infeliz, mas eu desejo sua felicidade acima de tudo. Que seja amada ainda que distante. Que sorria todos os dias até o fim da sua existência. Que esteja tão linda no altar quanto eu sempre imaginei. Que sua lua de mel seja inesquecível assim como o resto dos seus dias. Que seus filhos sejam felizes e fortes, e que te deem tanto orgulho quanto preocupação.

E como hoje é a minha despedida, espero que você se esqueça das minhas palavras e dos meus traços e da minha voz e das nossas conversas e nossos momentos e nossas músicas e meu perfume. Se esqueça dos meus livros e meus sonhos e meus filmes e meus detalhes e peculiaridades. Que se esqueça da minha farda e meus textos e meus sorrisos e lágrimas e a minha maneira de te tocar, beijar, proteger, carinhar e amar.

Seja feliz. Eu te amo.
Adeus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário