“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

segunda-feira, 3 de abril de 2017

forte.

Eu não sou o tipo de pessoa que supera as coisas, nem que lida com os problemas. Eu só tento enterrar e não olhar pra ele, mas enterro em covas rasas que se revelam quando chove.

Basta uma pequena garoa para que tudo volte, sabe? Os abandonos, as perdas, os arrependimentos... com o tempo só vou acumulando mais e mais coisas, nunca resolvo de fato o que preciso.

Com o tempo só vou ficando frio, perdendo as esperanças que antes eram a parte mais importante da minha personalidade. E o medo de que tudo aconteça de novo me impede de dobrar a esquina.

A garota sorri para mim no bar, já imagino uma noite de amor incrível, semanas de pura intensidade e depois nada além de sofrimento por mais um abandono. "Não era a certa." tento me consolar, mas nenhuma será.

Enterrar as coisas em covas rasas me dá um medo ainda mais da morte. Não a minha, quando eu morrer tudo acaba mesmo, mas a morte dos outros. Eu não saberia lidar. Nunca ficaria bem. O "nunca mais" me destruiria.

Sou apegado demais a tudo o que tenho, a todas as pessoas que tenho, a todos os momentos que tenho. Não sei o que fazer quando se vão. Odeio a inconstância da vida. Hoje tem, amanhã não tem e a vida deve continuar.

Tudo é passado o tempo inteiro. E o passado é tão belo, tão místico, tão perfeito. O futuro é só um monstro no meu quarto a noite. Um fantasma que vive embaixo da cama, um bicho papão escondido no guarda roupas.

Quanto mais eu vivo, menos preparado para viver eu estou. Não sei jogar esse jogo, ele não é para qualquer um. Eu me achava forte, mas nunca me imaginei tão fraco. Tão impotente. Tão vulnerável a tudo isso. Eu só queria poder controlar tudo do meu redor.

Eu só queria proteger todos os que amo. Colocá-los em uma redoma feita do meu próprio corpo, onde eu pudesse sofrer tudo por eles e tê-los sempre bem e felizes. Só queria ser capaz de tê-los sempre pra mim, de me sacrificar por cada um deles.

Queria que eles soubessem que minha vida só faz sentido se eles estiverem perto de mim. Queria que eles soubessem que eu sacrificaria cada vida que eu teria nessa eternidade para cuidar bem de cada um, desde que eles estivessem sempre ao meu lado.

Dentre todas as covas rasas, a única que eu teria prazer em cavar seria a minha própria, desde que fosse por eles.
Essa é a única maneira que aprendi a amar, e é assim que serei até o final.
Foi o que aprendi com meus pais, fazendo isso por mim.

Eu só quero ser forte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário