“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

sexta-feira, 24 de março de 2017

game over.

Eu não quero que outro homem descubra a sua pele hoje à noite.
Não quero que outra pessoa a toque, que prove seu gosto amargo adocicado.
Não quero outro ser bagunçando seu cabelo e fazendo-a suar e gemer.
Não quero que ouça as sacanagens que eu diria pelo timbre de outro alguém.

Não sou o seu dono e nem quero ser. Ninguém tem o direito da posse, mas quero ser o cara que a fará gozar hoje e em todos os "hoje" que existirem.
Quero brincar entre as suas pernas, fazer um jogo sujo e sério, sacana e divertido.
Um jogo que envolve almas, um jogo que brinca com a própria sanidade.
Um jogo que me manteria cativo por horas, dias, anos. Seu eterno escravo.
Um jogo em que eu ignoraria todas as regras que eu mesmo criei.
Um jogo que só quero jogar com você e, deliciosamente, perder.

A penumbra, a cama, o tapete, a mesa de estudos, a janela e o ventilador.
Os tapas, o toque firme, o cabelo emaranhado entre meus dedos.
O ritmo pulsante, as mãos estrangulando o lençol, as pernas dislexas.
O suor se misturando ao seu prazer. O calor evaporando tudo o que exalamos.
O ritmo aumentando, os gemidos dominando o ambiente, e então, o urro selvagem enquanto te agarro violentamente trazendo suas costas de encontro a mim.

Do quarto para fora você seria minha princesinha, dona de todos os meus mimos e carinhos.
Mas aqui dentro você seria minha explosão. Seria toda a expressão do meu prazer.
Seria a deusa que eu violaria e demonstraria todo o desfrute hedonista da mortalidade.
Você teria certeza de todo o meu amor a cada estocada que a ti reservaria.
Vislumbraria toda a minha fome e sede de você ao ver minha cabeça entre suas pernas.
Me esqueceria do tempo e do espaço enquanto sentisse suas mãos pressionando minha nuca.
Me esqueceria de tudo enquanto minha boca beijasse os seus lábios, grandes e pequenos, sedento pelo seu gozo.

Então venha, estenda a sua mão à mim. Deixe seu prazer guiar minha vida.
Faça com que seus olhos vorazes sejam o motivo da minha existência.
Faça com que o seu corpo seja o ninho e a calma do monstro que guardo em mim.
Me encante com seu sorriso, mas me enlouqueça com seus beijos.
Me entregue seu prazer e eu te entrego tudo o que resta de mim.

Fim de jogo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário