“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Have you no idea that you're in deep?

Tenho me dedicado a te esquecer, mas isso está tornando minha vida um inferno.
Não me basta apenas não pensar em você e não procurar saber como você está.
A falta de pensar em você está transformando minha vida em um segundo inferno.
Está me puxando novamente para o vazio, sem qualquer perspectiva ou vontade.

Eu preciso de alguém para te substituir... Eu sei que eu deveria aprender a viver comigo mesmo.
Deveria aprender a apreciar minha presença e querer as coisas por minha própria vontade.
Eu costumava viver assim, ser assim, na verdade, mas não me lembro mais como era isso.
Talvez você tenha me furtado esta habilidade. Tenha arrancado metade de mim ou mais.

Meus sonhos são incompletos, minhas músicas não têm ritmo, meus poemas não têm lírica.
Tudo é muito vazio, muito fraco, muito vão com a conformidade da ideia de não ter você.
Não tê-la é algo aceitável, embora triste, mas se conformar com isso é foda, cara.
Deixar de vislumbrar um futuro onde possamos nos trombar por acaso e irmos tomar um café...

Deixar de querer é como abrir mão da coisa mais importante que já quis na vida.
Ou talvez apenas de um costume idiota, um vício do qual não consigo me livrar.
Como ir à uma festa e não beber enquanto todos se embriagam. Você acaba indo embora cedo.
Como ir à uma praça no dia dos namorados, comprar um algodão doce e sentir o sal da vida.

Todos os dias antes de sair de casa me posto em frente ao espelho arrumando a maquiagem.
Maquiando um sorriso, dando vivacidade às rugas que se criaram no meu rosto.
Ensaio frases para quando me perguntam se estou bem, invento desculpas para os silêncios.
Faço milhões de planos para tentar ocupar minha mente e criar um novo desejo. Tudo vão.

Queria que alguma das garotas que conheci nos últimos tempos me desviasse de você.
Que por um instante sequer eu pudesse me deitar com elas e não me lembrar de você,
Por alguns minutos conversar com elas e não esperar ouvir suas frases e cacoetes,
Por algumas horas dormir ao lado delas e não sonhar em acordar com você deitada no meu peito.

Mais da metade de mim se foi com você.
E nenhuma delas possui pelo menos um só traço do que você deixou em mim.

Queria não esperar delas o que tive com você, queria simplesmente aproveitar e gostar.
Queria me apaixonar brevemente por todas elas, me encantar com o mundo delas.
Suas peculiaridades sexuais, seus gostos musicais, suas famílias esquisitas, seus passados.

Queria pelo menos conseguir amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo.
Assim eu poderia me dedicar a elas mesmo sem ter me esquecido de você.
Poderia viver bem e feliz, mesmo sabendo que sua imagem ainda me trincaria o coração.
Poderia fazer alguém feliz, mesmo sendo um traidor confesso do amor que declamaria.
Poderia evitar as lágrimas que insistem em surgir toda vez que digo "Você é ótima, mas..."

Definitivamente, te esquecer não me faz bem, assim como te lembrar.
Você me pôs na sinuca. Me pôs em xeque. Você gritou UNO.

A minha derrota é inevitável, agora só me resta saber se será pelas minhas próprias mãos,
ou nas mãos de um vagabundo qualquer tão desesperançoso e sem fé quanto eu mesmo.

As duas faces da mesma moeda.


Nenhum comentário:

Postar um comentário