“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Algo para amar.

Tudo o que preciso é algo para amar.

Irônico falar isso, afinal, em toda a minha luta, estou sozinho.
Em todas as minhas conquistas, eu estive sozinho, e agora não é diferente.

Talvez estar sozinho faça de mim uma versão cada dia melhor,
Talvez eu me force a me superar a cada dia e vencer tudo e todos.
Quando você está sozinho, você não tem outra escolha a não ser vencer.

Mas é fodido pensar que eu conquisto todas as minhas coisas sozinho.
No futuro, quando eu tiver conquistado tudo o que sempre sonhei,
Não vou querer dividir com ninguém. Ninguém esteve na luta comigo.
Ninguém enxugou minhas lágrimas ou mesmo me carregou até ali.

Quando estou sozinho me sinto realmente forte, me sinto imparável.
Mas é uma força estranha, pois ela não advém do amor, talvez raiva,
talvez ódio. Provavelmente seja ódio, sempre foi ódio. Ele é explosivo,
Mas sempre me serviu bem como combustível e me deu tudo o que tenho.
Talvez me dê mais ainda, mas me destrua por dentro com tamanha toxidade.

Se a raiva me leva tão longe, imagino quão distante poderia alcançar por amor.
Imagine só, lembrar do sorriso da sua amada, do olhar da sua filha.
Não existe nada que não possa ser alcançado com uma motivação tão forte.
É como se os limites fossem todos rompidos e não sobrasse nada na frente.

Eu estou sozinho, sim, eu estou, estou e vou permanecer por muito tempo.
Sempre estive, nem sei como me iludi por imaginar que não estaria mais.
Mas a solidão te leva a outro patamar de compreensão, de visão da verdade.

Quando você se percebe na solidão, se vê com a cara na lama, sem ajuda alguma.
E então você traça um longo caminho para dentro de si novamente, para o abismo.

Dentro de você mesmo deve estar tudo o que se precisa para se bastar.

Ao final, eu, a glória, eu.


Nenhum comentário:

Postar um comentário