“É a nossa luz, não nossa escuridão que mais nos assusta.

Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida,

Mas brincar de ser pequeno não serve ao mundo.”

Coach Carter

terça-feira, 7 de abril de 2015

Sr. Relógio

A vida tem dessas coisas.

O beijo que não é dado, a canção não composta, as palavras não ditas.
O carinho não feito, os sorrisos não dados, os olhares não trocados.

Mas de quando em quando encontros desencontrados acontecem.
Beijos que não deveriam ser dados, lábios que insistem em se tocar.
Você também consegue sentir o quão certo é tudo o que fizemos de errado?

E agora você se vai.
Um romance com data de validade, um amor com funeral marcado.
Flores e canções, luzes e sonhos.  Mais um belo amor de verão.
Sem tempo a perder, com o vislumbre da partida, se entregar sem fim.

Ah, a vida.

E quando se for, ainda pensará em nós? Se lembrará da minha pele?
Sonhará com meus beijos por todo o seu corpo? Do nosso carinho?
Ainda me contará como foi o seu dia? Desejará minha companhia?
Ansiará pelo retorno assim como eu, egoisticamente, ansiarei?

Não sei como serão as coisas daqui para frente, nem de abril ao infinito,
Mas confesso que ainda que seja como café (algo quente que se vai),
que o degustemos como se numa manhã fria estivéssemos após uma noite de amor.

Que o futuro não nos pode o desejo, não nos amedronte os sentimentos.
Que queimemos enquanto existir a brasa, enquanto houver o sonho.

Seja, hoje, toda a minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário